sábado, 28 de fevereiro de 2009

Vamos construir histórias

Partindo da estrutura dos contos de Fadas pode-se construir histórias fantásticas:

  • Para os mais pequeninos a partir de imagens;
  • Para os maiores (1º ciclo), através de frases.

Cria-se uma estrutura de pano, com vários bolsos (nove).
Cada bolso é numerado e possui a seguinte frase:

    1. O herói é:   Ex.  fadas, duendes, reis, princesas…
    2. Onde vive o herói? Ex.  floresta, cidade , montanha..
    3. A sua missão é ? Ex.  salvar a princesa, prender  um gigante…
    4. O lugar onde cumpre a missão.   Ex. Castelo, bosque..
    5. Os maus que vão atrapalhar. Ex. ogres, bruxas
    6. Os bons que vão ajudar. Ex. fadas, reis, amigos
    7. Objecto mágico. Ex  varinha mágica, pá, bolsa, pedra
    8. Luta pela vitória sobre os maus.  Ex. passar um precipício, lutar contra um dragão
    9. Para acabar pode ser assim

E foram felizes para sempre.

As crianças a partir desta estrutura irão criar as suas personagens, os locais onde se passa a acção,  os maus, os obstáculos, os objectos mágicos e os finais felizes.
Seguidamente colocam-se nas bolsinhas, os cartões realizados pelas crianças.
Depois é ver surgir histórias maravilhosas.

Obrigado professora Paula dos Candeeiros,
por me ter ajudado a desenvolver esta ideia.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Trabalho de exploração do livro da Padeira

Agradeço às professoras dos Candeeiros pelo seu apoio e dedicação às histórias.
Este é o excelente trabalho realizado pela professora Fedra.

Guião de Leitura para a obra

clip_image002

Ficha de Leitura Orientada

Indicações Bibliográficas

Título

Autor(es)

Ilustrador(es)

Editora

“Quem são as personagens?”

Depois de ouvires a história identifica na sopa de letras as personagens que participam na história, pintando cada nome de uma cor diferente:

I

P

A

D

E

I

R

A

H

L

D

P

T

S

L

A

P

N

V

O

Ç

N

C

A

S

T

E

L

H

A

N

O

SI

D.

T

Y

D

G

T

S

V

B

M

P

J

S

D

B

R

I

T

E

S

K

I

O

V

N

E

O

S

M

F

C

J

R

A

D

B

G

F

S

X

Z

E

H

A

O

Ç

P

N

I

F

K

D

B

V

T

I

C

D

H

G

I

A

F

T

H

A

V

N

D.

N

U

N

O

M

H

T

S

Padeira

Castelhanos

D. João I

Brites

Piratas

D. Nuno

Completa a grelha, respondendo às perguntas e descobre a palavra escondida nos quadrados a sombreado.

1

A

A

2

P

U

3

I

4

S

H

5

E

R

6

E

1- Qual o nome da vila onde aconteceu uma batalha importante?

2- Qual era o nome do reino onde aconteceu essa batalha?

3- Qual a profissão de Brites de Almeida?

4- Quem se escondeu no forno da padeira?

5- Completa o nome: D. Nuno Álvares ____________.

6- Quantos dedos tinha Brites de Almeida em cada mão?

“Como é que era a padeira de Aljubarrota?”

1- Era:

Muito pequena

Muito grande

Grande

2- Era:

bonita

linda

Muito feia

3- Era:

 

Fraca

Muito forte

Muito fraca

4- A sua mão tinha:

 

6 dedos

5 dedos

4 dedos

Depois de leres/ouvires a história responde.

Como se chama a personagem principal da historia?

________________________________________________________________________

Como se chama a vila onde ficou a Brites de Almeida?

________________________________________________________________________

Qual a profissão dela?

________________________________________________________________________

Um dia ouviu-se uma corneta: TaTaTa. O que era?

________________________________________________________________________

O que fez Brites de Almeida?

________________________________________________________________________

Quem lhe agradeceu pessoalmente pela sua valentia?

________________________________________________________________________

Quem se tinha escondido no seu forno?

________________________________________________________________________

Com que instrumento matou a Brites os sete castelhanos?

________________________________________________________________________

Ordena as palavras de modo a formares uma frase.

   

batalha uma em houve Aljubarrota. dia Um

   

________________________________________________________________

     
   

matou Brites castelhanos. Almeida sete A de

   

________________________________________________________________

     
   

Brites feia era muito de forte, Almeida e grande.

   

________________________________________________________________

     
   

padeira tornou-se Aljubarrota. Brites vila A na de

   

_________________________________________________________________

     
   

castelhanos forno padeira. esconderam-se no Sete da

   

_________________________________________________________________

     
   

gostava Brites aventuras. muito A de

   

_________________________________________________________________

     
   

famosa. Padeira A ficou

   

__________________________________________________________________

     
   

era Aljubarrota tranquilo. muito sítio um

   

___________________________________________________________________

     
   

com os Brites pá matou mágica. A castelhanos uma

   

___________________________________________________________________

Agora, ordena as frases de acordo com a história, colocando os números de 1 a 9 nos quadradinhos que estão à esquerda de cada frase.

“E agora a Matemática...”

A padeira saiu pela rua a dizer:

“Matei sete, matei sete de uma só vez.”

1- Conta quantas vogais e quantas consoantes há nesta frase.

vogais - consoantes -

2- Soma o número de consoantes com o número de vogais da frase.

3- Agora, ao número que obtiveste subtrai o número de palavras da frase.

4- Agora multiplica o resultado pelo número de verbos da frase.

 

Descobre as 4 diferenças entre as duas imagens. Assinala-as com um X.

clip_image004

clip_image005

Liga correctamente

Os castelhanos esconderam-se no forno da padeira.

Brites ia-lhes batendo com uma grande pá.

Brites de Almeida era muito grande, muito feia e muito forte.

Passou a viver em Aljubarrota, como padeira.

Gostava muito de aventuras. Um dia foi capturada por piratas.

D. Nuno Álvares Pereira agradeceu pessoalmente a Brites de Almeida.

A padeira tornou-se numa mulher muito famosa.

Junto ao forno os castelhanos estavam mortos com uma grande pá em cima deles.

Um dia houve uma grande batalha em Aljubarrota.

Desenha a tua personagem preferida da história. Depois, pinta o desenho.

 

Pinta o desenho:

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Paixão pela História

De cada vez que me embrenho numa nova história, apaixono-me…
Perdidamente!
Que maravilhosa é a nossa História de Portugal, que personagens cheias de carácter e valores.

Tenho uma enorme vontade de contar às crianças de que tecido foi urdido o nosso país.
Que sonhos, lutas, paixões, obstáculos foram necessários ultrapassar, para nós sermos uma nação.

Vamos embrenhar-nos no passado e descobrir os nossos verdadeiros heróis (Reis, Rainhas, Cavaleiros, Padeiras, Princesas, Príncipes, Aias, Povo Anónimo e Santos).

Nós temos necessidade saber de onde viemos, para caminharmos de forma mais sólida e segura para o amanhã.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Deixem-me ouvir histórias…por favor!!!

As histórias fazem parte de nós e remontam aos primórdios da HUMANIDADE. Ouvir histórias é ligarmos a nossa essência.

“Durante vários milénios, nas sociedades primitivas e tradicionais, os conhecimentos foram transmitidos através de uma longa cadeia oral.”

“Nestas comunidades, as histórias foram primordiais para a vida social, para a condição básica de sobrevivência da espécie, e utilizadas no sentido da ética, para dar sentido à vida dos integrantes de determinadas comunidades”.

 

  • “Por exemplo, em certas culturas indígenas, como a do povo Munduruku, no norte do Pará (Brasil), a criança, quando nascia, recebia dois nomes: o nome social e o nome mágico, secreto e cada um destes nomes estava relacionado a uma narrativa. Quando a criança desobedecia aos mais velhos, o pajé (líder religioso) chamava a criança e contava a história do seu nome mágico remetendo a criança à sua própria origem (ALVES, 2004)” .
  • “Já na tradição oriental sufi (islamismo), dizia-se que a sabedoria está nas histórias e quando um indivíduo enlouquecia, o líder religioso chamava um contador de histórias, até que os pensamentos do indivíduo em questão voltassem ao normal (PRIETO apud ALVES, 2004)” .
  • “Na medicina tradicional hindu, um conto de fadas que personificava o problema da pessoa desorientada psiquicamente, era oferecido para ela meditar ” (ALVES, 2004, p.1)”.

Cada vez mais chegamos a conclusão que as histórias e os contadores de histórias assumem um papel de extrema importância num mundo, cada vez mais economicista e frio de afectos.
Através das histórias criamos ligações afectivas, ganhamos capacidade de sonhar e o mundo torna-se mais compreensível.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

A Padeira e os Ratinhos

Mais uma vez, a Padeira Ilustradora fez com as crianças um ratinho, personagem que aparece numa das ilustrações do livro.

No tempo da Padeira de Aljubarrota, os ratos passeavam pelas casas com grande familiaridade e a Padeira com a sua pá devia ser uma exímia caçadora de ratos.

Ser rato na casa da Padeira devia ser duro.

 

 

Vês como eles, os ratos, estão o máximo!!!!

Não há duvida que a Padeira Ilustradora entende mesmo muito de ratos.  :-)

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

APEI: “Era uma vez Reis e Rainhas…”

Sabes, no ultimo sábado, dia catorze de Fevereiro, a convite APEI (Associação de Profissionais de Educação de Infância), fui dinamizar um Sábado Temático subordinado ao tema “Era uma vez Reis e Rainhas e a magia da História de Portugal”.

Tive o privilégio de inaugurar um novo espaço dedicado às histórias - O Quarto da Lua - da minha amiga e contadora de Histórias, Liliana Lima.
Foi um enorme prazer para mim, partilhar os meus sonhos, as minhas paixões e sentir da parte do grupo que me ouvia, um enorme carinho.

Acho que houve muito empatia e todas nós (éramos só mulheres), podemos reviver um pouco da magia dos contos de fadas, entrar nas raízes da nossa História de Portugal e sentir que os valores e a partilha, são pilares cruciais da nossa formação enquanto seres humanos.

sábado, 14 de fevereiro de 2009

Em busca de um sonho…

Cada um encontra o seu caminho, o meu é este:

E lá vou eu com as minhas malas carregadas de sonhos, fantasias e pós-de-perlimpimpim, encantar crianças e levar-lhes aquilo que há de melhor no mundo - as histórias - que lhes permitem imaginar, sonhar e voar para mundos de nuvens de algodão, onde heróis, reis e rainhas, príncipes e princesas e são nossos amigos e nos dizem:
"Vamos partilhar, ousar, lutar, amar e caminhar para um mundo mais fraterno, colorido e cheio de luz e paz."

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Enquanto houver estrelas no céu…

Para todos os meninos que precisam de olhar para o céu…

Enquanto houver estrelas no céu,
há lugares secretos e só nossos.

Enquanto houver estrelas no céu,
há novelos gigantes que ligam os nossos corações e os mantém tricotados.

Enquanto houver estrelas no céu,
há luzinhas que nos aquecem e nos fazem sonhar.

Vanda Furtado Marques



[Este é um “post” que surge do muito comovente comentário que o Antoino, deixou na caixa de comentários, e que aqui reproduzo:
“antoino: No outro dia estava uma menina a olhar para o céu e a chorar e perguntei-lhe porque é que ela chorava?
e foi então que ela me disse, que estava a olhar para a mãe, que era uma estrela no céu. Essa cena comoveu-me”]

domingo, 8 de fevereiro de 2009

O poder terapêutico das histórias

Quando estiveres triste, deprimida desiludida com a vida…
Tira da prateleira uma história maravilhosa e partilha-a com os teus filhos.
E como por magia, o mundo torna-se mais cor de rosa.

“Dentro de cada um de nós existem:
- H
istórias maravilhosas que podem melhorar as nossas vidas e as vidas dos que vivem em nosso redor;
- Histórias que evocam recordações que nos alegram e fazem sorrir (…);
- Histórias fabulosas que podem desafiar o intelecto; e
- Histórias magníficas à espera de sair cá para fora, se deixarmos.
Agora mais do que nunca, acredito que as histórias podem ajudar-nos a enfrentar as dificuldades da vida e contribuir para a nossa transformação numa sociedade melhor, numa humanidade melhor e num mundo melhor.
Quando se conta uma história maravilhosa, a magia acontece.”

Stuart Haverá Gold

sábado, 7 de fevereiro de 2009

A Padeira e a Ilustradora na Escola dos Candeeiros

Preparámos-nos para mais uma tarde com as crianças.
Vestimos os indispensáveis fatos de Padeiras, os lenços, os chinelos, levávamos o cesto recheado de pão caseiro, a enorme pá e a pasta de açúcar para fazer uma doce receita.
Era uma e meia e lá estávamos nós, na Escola dos Candeeiros para mais uma sessão de conto em volta da fantástica história da Padeira de Aljubarrota.

As crianças juntaram-se e tínhamos um público lindo à nossa volta.

Empenhei-me para dar voz à minha heroína, a Padeira, e as crianças estavam super divertidas a escutar as aventuras desta mulher indomável.
Que vontade estavam de ir a Aljubarrota ver a pá.
Tenho a certeza que com o dinamismo daquelas professoras, elas vão mesmo satisfazer essa curiosidade.
padeiraDepois, a Padeira ilustradora (a Susanne) explicou aos meninos, como ela amassou a pasta de açúcar para dar vida aos bonecos do livro.
Com o pedaço de massa, ela fez um ratinho tão fofo, que fez as delícias dos pequenos.
Foi uma tarde verdadeiramente encantadora.

Obrigada pelo carinho…

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Na Biblioteca de Condeixa

A Rainha Santa Isabel e a Inês de Castro foram contar as suas histórias às crianças de Condeixa-a-Nova.

Esta sessão foi muito concorrida, pais e filhos juntaram-se para ouvir histórias da nossa História de Portugal.

Por momentos, todos nós, recuamos ao Reino de Portugal e podemos sentir as peripécias e a luta que D. Pedro teve que ultrapassar para ficar junto à sua amada Inês de Castro; e de como a Rainha Santa Isabel abdicou dos luxos e riquezas… para dar a sua vida aos mais carenciados.

Que grandes exemplos podemos nós descobrir no nosso passado comum…

 

E aqui está o prometido, Ema:
O teu desenho recheado com os pós mágicos da Rainha Santa.

Beijinhos

Trabalhos realizados pelos meninos da EB1 de Turquel

Estes são desenhos alusivos à história da Padeira de Aljubarrota realizados pelos meninos do Professor Fraga.
Sem dúvida que a Padeira é uma grande heroína para as crianças e, a o seu objecto mágico.

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Loja Canário: “O Amor de Pedro e Inês” peças associadas ao livro.

Fantoches, Livros e PregadeirasMontraBonecos de Pano, Serviço de Louça (Spal) e Livros

Foi com muita alegria que aceitei o convite da   Loja Canário   para expor algumas peças associadas
ao Livro “O Amor de Pedro e Inês” da colecção “Contado-aos-Pequenotes”, no seu bonito espaço.

As peças que selecionei foram:

  • Os Fantoches;
  • As Pregadeiras;
  • Os Serviços de Louça (Spal);
  • Os Bonecos de pano; e, natrualmente,
  • Os Livros.

Fizeram um brilharete.

Agradeço-te profundamente, Zézinha Canário,
pela tua amabilidade e amizade.

Loja Canário

Avenida da Igreja nº 15
2475-100 Benedita
tel. 968.559.573
www.l-canario.blogspot.com

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin